Qual a chave para tornar a análise de dados mais eficiente?

Os dados sempre estiveram presentes na tomada de decisões. São inerentes às estratégias de negócios todos os dias. Mas sua importância tem aumentado consideravelmente nos últimos anos. Passamos de um cenário em que os dados eram escassos e os níveis de atualizações eram pobres. Como resultado, as decisões eram tomadas com base em dados que não eram inteiramente válidos. No fim das contas, o que contava era a intuição e não dados consistentes na hora da decisão. Não que seja necessário tomar decisões apenas com análise de dados, mas quanto mais informações tivermos, melhores escolhas iremos tomar. Marketing é uma disciplina baseada nisso, em análise de dados, mas desde o advento da internet e acompanhando a evolução na gestão da informação (coleta, filtragem, armazenamento e processamento), a sua presença tem ganhado importância.

Como devemos usar os dados no marketing digital atual?
Com o advento do Big Data, precisamos entender como e quando utilizá-lo. Passamos de “medir pouco e mal” para uma “gigantesca fonte de informações”, como o ‘Big Data’. Temos que usar os dados para transformá-los em informações e estas em conhecimento. Mas temos que saber como fazer isso sempre.

Nesta ‘profissionalização’ da medição em empresas, a situação mais comum é: “Eu tenho claro que se eu quiser otimizar a minha estratégia, tenho que começar com uma estratégia de medição correta. Mas por onde eu começo?”

Quais são os requisitos para obter o máximo proveito dos dados?

1. Fundações Fortes: definição correta dos objetivos e KPIs (Indicador-chave de Desempenho)
O primeiro requisito é que você esqueça um pouco o Google Analytics e o Excell e defina corretamente seus objetivos e as KPIs que melhor descrevem se está de fato fazendo bem as coisas. Antes de pensar no que os dados apontam, analise a maneira em que está criando sua estratégia para saber se ela está sendo feita da forma correta.

2. Sem os dados corretos você não vai tomar as melhores decisões
Depois que estiver com todos os dados necessários confira se a medição está correta. Após a definição dos objetivos e KPIs, sabemos quais coisas devemos medir e, portanto, podemos verificar se estamos medindo corretamente ou não. Isso é conhecido como ‘assumir o controle dos dados’ ou ‘trabalhar na qualidade dos dados’.

3. Para tomar decisões temos que ter todos os dados necessários em um só lugar
Uma das chaves para ser ágil na tomada de decisões é ter a integração de fontes de dados em um único lugar. Ter todos os dados necessários para tomar uma decisão em um único dashboard nos permite focar apenas isso. Tomar decisões e evitar a paralisia pela análise.
Um dos problemas mais comuns é que as empresas têm relatórios de diferentes fontes (geralmente em estratégias multicanais) que não combinam entre si, em que investem muito tempo para gerar um único relatório, roubando-lhes tempo para o que é mais importante: pensar e tomar decisões. Então, temos de nos concentrar, eliminar as distrações e agir.

4. Temos de ser capazes de entender os dados
Nada pior do que ter feito bem o trabalho e ao passar os dados para a pessoa que toma as decisões, ela não entender e tomar a decisão errada ou arquivar diretamente. Precisamos adaptar as informações e o conhecimento que passamos no dashboard (painel de indicadores) ao nosso interlocutor (nosso público estratégico) para que ele, e não só você, entenda o que foi analisado.

Esta adaptação deve seguir duas linhas:
Os tipos de dados: quem toma a decisão está interessado em uma informação específica. Aquela que fala e ajuda no desempenho do seu trabalho. Por esta razão, o número de dashboards que requer uma organização para funcionar é variável. Se partir de um dashboard estratégico que coleta KPIs fundamentais, visão de negócio global, é a partir daí que se verificam as necessidades de análise (gestão de investimento em publicidade, clientes, conteúdo, etc).
Display: não basta apenas ter os dados necessários, estes devem ser monstrados de modo que a pessoa que vai usar esse painel saiba compreender a situação global e localizar rapidamente os pontos fortes e fracos. Quanto maior for o cargo da pessoa a quem o dashboard é dirigido, melhor explicado e detalhado este deve ser.

5. Temos que dedicar o maior tempo possível para a análise e tomada de decisão
As estratégias multicanal, a falta de padrão das métricas e formatos e sua própria falta de experiência, faz com que as empresas dediquem muito tempo à extração e processamento dos dados. Isso irá limitar o tempo mais importante, o que traz valor e que é o objetivo de um dashboard: análise de dados para transformá-los em informações e este, em conhecimento.
Ou seja, tomar decisões. Então, precisamos aumentar a velocidade de extração e processamento e dedicar o tempo para o mais importante. Devemos combinar a estatística, a programação e o conhecimento do negócio para combinar de forma rápida e eficaz os dados coletados e tomar decisões o quanto antes.

(Foto de Shutterstock)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.