Anúncios para celulares crescem cada vez mais

Anúncios para celulares crescem cada vez mais - ecommerce por Loft44 - Flow Commerce

loft44-anuncio-para-celulares-estao-crescendo-cada-vez-mais-2
Quando se trata do número de usuários em celulares e do número de usuários de desktop, é muito claro que onde podemos encontrar o maior número de usuários é em celulares, já que o levamos conosco para todo e qualquer lugar, e nos deixam conectados constantemente. Esse agressivo aumento de usuários mobile, vamos chamar assim, tem sido a razão da mudança de como os anunciantes vem alterando seu gasto no meio digital, e esse ritmo vem aumentando significativamente.
Um relatório emitido pela agência Zenith Optmedia, informou que anúncios em celulares irão se tornar o meio de publicidade primária já em 2017. Um ano mais cedo do que a previsão de pesquisas anteriores. De acordo com a empresa, anunciantes ao redor do mundo irão gastar em torno de US$99,3 bilhões de dólares em anúncios para celulares em 2017. Isto é 2% a mais do que o valor esperado para anúncios em computadores desktop. Em dezembro, a Zenith previu que os anúncios para celulares iriam ultrapassar os anúncios de desktop em 2018, mas alto volume de anúncios para celulares trouxe o aceleramento da previsão, um ano mais cedo.

Anúncios para celulares estão crescendo cada vez mais: em 2015 este teve crescimento de 95%, o crescimento para 2016 seria de 46% (de acordo com as previsões da agência Zenith), seguido de um crescimento para 2017 e 2018 de 29%.
Ter um site responsivo já é uma prioridade no que se refere a acesso a internet. O mercado de anúncios está conseguindo acompanhar com o comportamento do consumidor com relação a anúncios, determinando de qual seria a melhor maneira de se comunicar através de anúncios responsivos.

Anúncios em display tradicionais – banners e formatos similares – irão diminuir 3,1% este ano, depois de ter crescido 8,6% em 2015. Enquanto a previsão para crescimento pelos próximos dois anos mal será o suficiente para compensar uma grande perda este ano, anúncios em display digital irão crescer em média apenas 0,3% por ano, entre 2015 e 2018, efetivamente permanecendo baixo. Isso significa que vídeos e mídias sociais serão fontes únicas de crescimento para anúncios em display, pelos próximos três anos. Felizmente estes tem crescido rapidamente: na previsão da Zenith, os vídeos teriam um crescimento médio de 20,1% entre 2015 e 2018, enquanto as mídias sociais cresceram 23,6%.

O declínio repentino em display tradicional é resultado de uma transição rápida para anúncios em celulares. Anúncios em banners são bem menos efetivos em aparelhos celulares do que em desktops – os consumidores acham estes anúncios mais intrusivos, e estão mais propensos a clicar nesses anúncios por acidente do que por design. Vídeo online, em contraste, é beneficiado pelo crescimento de excelentes conteúdos, e desenvolvido para uma plataforma responsiva, como exibições melhores e conexões mais rápidas. E para muitos consumidores, aplicativos de mídias sociais tem se tornado um hábito bastante regular, enquanto anúncios em mídias sociais se mesclam perfeitamente entre publicações de amigos.

Zenith também previu que despesas de publicidade global crescem 4,1% este ano para chegar a US$ 537 bilhões, 4,6% abaixo do crescimento previsto em março. A principal razão para esta redução é a recessão e desvalorização da moeda, mercados-chave que afligem na América Latina. Argentina, Brasil, Equador e Venezuela (que respondem por 56% das despesas de publicidade da América Latina) estão atualmente em recessão, agravada pela rápida desvalorização da moeda na Argentina e uma crise econômica na Venezuela. Em dezembro do ano passado, o governo argentino levantou seus controles cambiais, levando a uma desvalorização imediata de 30% da moeda, seguido por novas quedas este ano. Enquanto isso Venezuela está ficando sem suprimentos básicos e dirige-se para a hiperinflação. Prevemos despesas de publicidade da América Latina a encolher 2,4% em 2016, abaixo do crescimento de 6,3% em 2015.
Fonte de dados: Zenith Media

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.